2012 termina com comércio e investimento em alta entre China e países de língua portuguesa

Porto de Luanda em Angola

 

PEQUIM [ ABN NEWS + MACAUHUB ] — O ano de 2012 saldou-se por um aumento do comércio e do investimento entre a China e os países de língua portuguesa, envolvendo grandes empresas do conjunto de países, que tiveram em Lisboa um epicentro de negócios.

O início do ano foi marcado pelo investimento da China no sector energético em Portugal, com a aquisição de 21 por cento da EDP pela China Three Gorges (CTG), seguida da entrada na Redes Energéticas Nacionais (REN) pela State Grid Corporation of China (SGCC).

“A aquisição da CTG”, comentou o analista Paulo Gorjão, “marca o ponto de partida de um tipo de investimento estratégico chinês em Portugal”, em que uma empresa estatal investe “num setor estratégico da economia portuguesa”, mostrando a “confiança mútua entre governos”.
O interesse das empresas chinesas em Portugal deve-se em grande parte aos laços das portuguesas com o Brasil e África.

A criação de duas “joint ventures” em Angola e Moçambique, detidas em partes iguais pela REN e China Grid, é um dos compromissos que o grupo chinês apresentou na sua oferta de 387,15 milhões de euros por 25 por cento da REN, depois de a CTG se ter comprometido a investir 8,7 mil milhões de euros.

A crise económica e financeira em Portugal e o pacote de privatizações em curso atraiu também empresas angolanas, que estão a seguir processos como o da cadeia de televisão RTP e em breve deverão tomar posição na nova operadora de telecomunicações resultante da fusão da Zon com a Sonaecom.

O investimento bilateral tem sido intenso nos últimos anos, com as empresas portuguesas a terem uma posição dominante no sector financeiro, em bancos como o Fomento, Millenium Angola ou BESA.

Simultaneamente, empresas angolanas e sobretudo a petrolífera Sonangol, têm estado a aumentar a sua posição em empresas portuguesas chave, como a Galp Energia.
Em 2010, 4 por cento das empresas listadas na bolsa portuguesa eram detidas por capitais angolanos, com um valor conjunto de 2,2 mil milhões de euros (2,9 mil milhões de dólares).

O banco angolano BIC fechou recentemente a compra do português BPN e têm havido relatos na imprensa de outras potenciais aquisições de outros bancos portugueses por investidores angolanos.

Também empresas brasileiras têm vindo a tirar partido da situação em Portugal, com a aquisição da cimenteira Cimpor, presente em Angola, Moçambique, Cabo Verde e muitos outros países, e até entrando no fabrico aeronáutico e no negócio dos hospitais.

Sendo já o maior investidor externo em Moçambique, graças ao projecto de exploração de carvão da Vale, o Brasil também a reforçou a posição noutros países de língua portuguesa.

Uma nova linha de crédito no valor de 2 mil milhões de dólares criada pelo governo do Brasil para Angola foi formalmente constituída e, durante uma visita a Angola, a presidente brasileira Dilma Rousseff definiu como princípios para o envolvimento em África que as empresas brasileiras se esforcem por contratar africanos, façam da transferência de tecnologia uma prioridade e que lancem parcerias com empresas locais.

Com a economia novamente pujante, grande novidade em Angola foi a aguardada criação de um Fundo Soberano, que vai ajudar a reduzir a exposição da economia às oscilações do preço do petróleo.

Há muito aguardado e apresentado este mês em Luanda, o Fundo Soberano Angolano foi constituído com uma dotação inicial de 5 mil milhões de dólares, a ser aplicada em projectos em Angola e no estrangeiro, com foco na África a sul do Saara.

Moçambique continua a expandir-se a ritmo elevado, contrariando a tendência global, e poderá em breve tornar-se numa das mais dinâmicas do mundo, graças ao desenvolvimento do sector mineiro e dos fluxos cada vez maiores de investimento.

Segundo estatísticas oficiais, o comércio entre a China e os Países de Língua Portuguesa cresceu 12,3 por cento entre Janeiro e Outubro de 2012 face ao mesmo período de 2011, fixando-se em 103.636 milhões de dólares.

Com o Brasil, o principal parceiro da China de entre os oito países de língua portuguesa, as trocas comerciais subiram 2,91 por cento, para 68.862 milhões de dólares.

Com Angola, as trocas comerciais subiram 41,89%, para um total de 31 709 milhões de dólares, com a China a exportar mais 48,73%, para 3314 milhões de dólares e a importar mais 41,13%, para 28 395 milhões de dólares.

Já com Portugal, o terceiro país de língua portuguesa mais importante em termos comerciais, as trocas ascenderam a 3368 milhões de dólares, uma subida de 3,21% em que as exportações chinesas caíram 11,18% e as exportações portuguesas aumentaram 40,31%.

Read more 2012 termina com comércio e investimento em alta entre China e países de língua portuguesa

Deixe uma resposta